Conheça o homem que cuida de todos os animais em Fukushima

naotomatsumura

Já fazem 4 anos que houve no Japão um terremoto e um tsunami altamente destrutivo, que acabou danificando os reatores nucleares na usina nuclear de Fukushima Daiichi. Milhares de cidadãos evacuaram a área depois que o governo estabeleceu uma zona de exclusão de 12,5 quilômetros em torno da planta nuclear, devido a preocupações com a exposição à radiação, menos Naoto Matsumura.

Esse homem, um agricultor foi um dos muitos residentes de Tomioka, cidade da região da usina, chegou a sair da cidade, mas depois de ser barrado na porta da casa de sua tia, por medo de contaminação de radiação, e depois de ver que os campos de refugiados estavam excessivamente lotados e com poucos recursos, Matsumura decidiu voltar para Tomioka para checar sua fazenda e seus animais.

animais

O que ele encontrou foi um deserto nuclear desolado desprovido de qualquer sinal de vida, exceto para os animais. Como as pessoas tinham fugido da cidade, muitos deixaram seus animais de estimação para trás. Cães, gatos, vacas, patos, um pônei, e até mesmo avestruzes. Matsumura disse à produtora japonesa VICE, “Nossos cães ficaram sem alimentos durante os primeiros dias. Quando eu fui alimentá-los, os cães dos vizinhos começaram a ficar loucos. Eu fui até lá e descobri que eles estavam amarrados. Eu acho que as pessoas, quando fugiram, pensaram que em uma semana ou coisa assim, poderiam voltar para a cidade. A partir de então, passei a alimentar todos os cães e gatos diariamente. Eles não podiam ficar esperando, por isso, latiam como uma tempestade assim que ouviam meu caminhão. Em todo lugar que eu ia haviam animais a ladrar. Tipo, “estamos com sede”, ou “não temos comida”, Então eu continuei fazendo as rondas”.

Naoto Matsumura está ciente dos riscos da radiação para a sua saúde, que podem aparecer daqui 5, 10 anos, mas ele não se arrepende de ter voltado à Zona de Perigo para viver ao lado dos animais que foram deixados para trás pelos seus donos.

Nesse meio tempo, tudo o que ele pode fazer é o seu melhor para manter a sua comunidade viva como o último cidadão restante na cidade, apesar da insistência dos oficiais japoneses em evacuar a área. Quando não está alimentando seus companheiros semi-selvagens, Matsumura fala com a mídia local e estrangeira sobre o estado das coisas na zona de exclusão, incluindo relatórios sobre casos de partir o coração, como a fome em massa de animais.