Lote de achocolatado contaminado é farsa – Atualizado 01/09/2016

toddynho

Muitas mães e pais ficaram preocupados com um mensagem divulgada no Whatsapp e nas redes sociais, com informações, fotos e mensagens de áudio sobre mortes relacionadas ao consumo de achocolatado.


Uma das mensagens dizia “O filinho dela tomou um toddynho da marca Itambé e começou a passar mal. Ela (a mãe) também tomou dois golinhos e também começou a passar mal”, diz a mensagem divulgada.”

“Olá pessoal venho informar a vcs que não dê toddynho para seus filhos pois duas crianças chegaram a óbito, o toddynho está envenenado”, afirma outra


Depois disso muitas pessoas começaram a compartilhar uma notícias antiga sobre a suspensão de um lote do achocolatado Toddynho da empresa Pepsico, em 2014, que estaria contaminado pela bactéria Bacillus Cereus, que provoca intoxicação alimentar.

Sobre a contaminação do “Toddynho” em 2016 em Cuiabá

A PepsiCo, fabricante do achocolatado Toddynho, reforçou, em nota, que a repercussão sobre contaminação do achocolatado Toddynho se trata de um “boato”, além de afirmar não haver nenhuma relação com o ocorrido em Cuiabá (MT).

“Os boatos de que Toddynho estaria contaminado são completamente inverídicos. A PepsiCo reitera o seu compromisso com a qualidade de seus produtos e com a total transparência na relação com os seus consumidores.”

E a Itambé que foi citada em alguns audios também lançou uma nota para impressa :

“A Itambé Alimentos S.A. divulgou hoje uma nota de esclarecimento sobre a suposta morte de uma criança após a ingestão do achocolatado Itambezinho.

Prezado Cliente,

Informamos que sexta-feira, 26 de agosto, recebemos a informação da morte de uma criança de dois anos de idade em Cuiabá, Mato Grosso, supostamente após a ingestão do produto achocolatado Itambezinho (200ml).

Os fatos foram trazidos ao conhecimento da Itambé por parte da Secretaria de Vigilância Sanitária da cidade de Cuiabá, e está sendo investigado pelos órgãos locais.

Ressaltamos que a Itambé prima pela qualidade e excelência dos produtos que chegam às suas gôndolas e este produto está no mercado há mais de uma década e nunca apresentou qualquer problema correlato. Até o presente momento, não tivemos nenhuma outra reclamação de qualquer natureza referente a essa data de fabricação 25.05.16, com validade 21.11.16.

Informamos ainda que a Itambé já realizou análises laboratoriais internas do lote citado, não identificando nenhuma não-conformidade. Em paralelo, outras análises estão sendo feitas em laboratórios externos e no próprio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). A empresa já disponibilizou as contraprovas para os órgãos oficiais e continuará trabalhando em conjunto para outros esclarecimentos que se fizerem necessários. ” diz a nota.

Atualização do caso Toddynho

Segundo o Jornal ReporterMT, Policiais civis da Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e Adolescente (Deddica), prenderam na manhã desta quinta-feira (01), Adônis José Negri, 61 anos, que é acusado de envenenar o achocolatado Itambezinho, que causou a morte do menino R.C.S.S, de 02 anos, na última quinta-feira (25).

Adônis confessou que envenenou o produto com “Era Rato” para matar Deuel, que furtava produtos de sua casa constantemente, mas Duel vendeu o achocolatado à família do menino, que morreu envenenado.