Conheça os diferentes tipos de macaco para carros e veja as vantagens de cada modelo

macacos

O macaco hidráulico garante a elevação e movimentação do veículo, permitindo a troca do pneu com o mínimo esforço.

O macaco hidráulico é uma popular ferramenta utilizada para a troca de pneus de veículos automotivos. A ferramenta possibilita a elevação do carro com relativa facilidade por meio de uma manivela que sustenta seu peso e permite a substituição do pneu. Existem alguns tipos de macacos, além dos hidráulicos tradicionais, com diferentes princípios de utilização, como os macacos mecânicos e os elétricos, com capacidade para suportar pesos entre 1 e 4 toneladas.

Macacos mecânicos:

São os macacos mais convencionais e de simples funcionamento. O macaco joelho levanta o automóvel apenas de um lado, a partir de uma alavanca simples e uma manivela giratória. Uma canaleta serve de apoio, e o equipamento empurra o carro para cima, no sentido contrário. Já o macaco sanfona, ou do tipo “tijolinho” é baseado em um sistema de movimentação com alavancas giratórias, com uma base mais plana voltada para o encaixe, e a pressão se dá no sentido vertical e lateral durante o levantamento do veículo. Para uma utilização adequada e segura, é fundamental que o macaco seja instalado em um local plano com boa fixação, sem risco de derrapagem, para garantir o bom funcionamento do macaco, além de evitar acidentes.

Macacos hidráulicos

O funcionamento do macaco hidráulico pode ser explicado a partir do princípio físico que segue a Lei de Pascal: “a pressão aplicada em um ponto de um fluido em repouso transmite-se integralmente a todos os pontos do fluido”. Assim, se for feita uma pressão sobre um determinado ponto do sistema, todos os outros pontos também sofrerão a mesma pressão. No caso do macaco hidráulico, a estrutura é montada a partir da comunicação entre dois tubos cilindros, cheios óleo, que possuem pistões no interior e se movimentam a partir do emprego da força, levantando objetos pesados com um menor esforço por parte do usuário.

São dois os modelos mais comuns de macacos hidráulicos: o macaco jacaré pequeno, que possui rodas que acompanham o deslocamento do carro, caso haja alguma inclinação. Ele ergue o carro no sentido lateral. Já o macaco garrafa é um tipo de pistão hidráulico compacto, de menor tamanho, de fácil armazenagem e transporte, que funciona a partir de uma alavanca acionada por meio de movimentos de remo. Na hora de sua utilização, ele deve ser instalado no mesmo nível do solo, garantindo a estabilidade e evitando danos ao veículo. Como os macacos hidráulicos utilizam fluidos e óleos para gerar a pressão interna no levantamento das cargas, não podem ocorrer vazamentos, que podem levar a um mau desempenho do equipamento e à ocorrência de acidentes.

Macacos elétricos

Os tipos mais modernos de macacos, eles são plugados ao acendedor de cigarros ou conectados diretamente na bateria do veículo. O macaco elétrico oferece maior performance e tem o poder de elevar uma roda do solo rapidamente, dispensando totalmente o uso da força. O sistema de funcionamento é totalmente automático, e há modelos com controle remoto. Alguns modelos ainda possibilitam que ele seja utilizado de forma manual, caso não haja acesso à fonte de energia do automóvel.

Utilização e segurança

Trocar um pneu não é complicado, mas exige conhecimento. Para operar um macaco hidráulico com segurança é importante ler o manual de instruções, com informações sobre como encaixar o equipamento ao veículo e como soltar os parafusos da roda (que devem ser afrouxados com o carro ainda no chão). Na lataria do automóvel ainda existem sinais e indicações com setas que mostram exatamente o local onde o macaco deve ser encaixado, sem gerar danos para a carroceria e estrutura do carro.

Antes da troca, alguns cuidados devem ser tomados, como parar o carro em local plano, puxar o freio de mão para engrenar o veículo, calçar os outros pneus com uma pedra ou madeira, e após substituir o pneu, as porcas devem ser apertadas apenas quando o automóvel estiver no chão novamente. Outras práticas também devem ser adotadas, como fazer com que todos os passageiros desçam do carro antes da troca, e utilizar o triângulo de segurança na distância recomendada, para evitar acidentes.