Big Data: Como o futuro nos alcançou.


Sempre pensamos que as tecnologias do presente nos levariam para as tecnologias do futuro, mas a tecnologia da informação nos levou a um novo paradigma, hoje podemos afirmar que uma poderosa tecnologia do futuro vem de encontro a nossa sociedade, fazendo o caminho inverso ao esperado.


Há alguns anos muito se falou e muito se estudou sobre o fenômeno da globalização, atualmente a interação social através dos meios digitais rouba a atenção de estudiosos do comportamento humano, marqueteiros, empreendedores e outros estudiosos de inúmeras áreas do conhecimento humano se beneficiam desse excesso de interação e grande volume e velocidade de informações.

Não é secreta a importância dos profissionais em estatística e matemática, mas um quadro crescente que recebe grande incentivo em todo o mundo promoverá uma integração completa entre todas as distintas áreas de conhecimento, requerendo habilidades de todos os distintos profissionais tendo como pivô a tecnologia da informação, estudiosos das ciências da linguística, antropologia, geografia, cientistas políticos, acionistas, empresários e investidores em geral, médicos, biólogos, físicos, estrategistas militares, profissionais dos mais diversos setores da área de tecnologia da informação, e provavelmente todos os demais profissionais ainda não citados em um futuro não muito distante irão de encontro ao impacto da realidade do Big Data.

Mas o que é o tal Big Data?


Em termos resumidos, lembre-se que tudo o que fazemos gera dados. Tudo o que produzimos entra nos números da indústria, tudo o que compramos entra nos números do comércio, estarmos saudáveis ou adoecermos entra para estatísticas da área da saúde.
Sabendo disso, é fácil imaginar que estamos falando de um volume muito grande de dados, de diversas áreas e que todos esses dados podem ser transformados em informação através da mineração de dados.

(…) hoje podemos afirmar que uma poderosa tecnologia
do futuro vem de encontro a nossa sociedade, (…)

Agora imagine que estamos falando de muita informação, uma quantidade que torna humanamente impossível o acompanhamento e muitas dessas informações falam de áreas de interesses diferentes e muito disso poderia ser considerado lixo por muitas pessoas. Mas imagine se fosse possível colocar todas essas informações em um lugar, e entrar com um pedido especial por uma informação em específico como por exemplo o número de ocorrências de casos de enfermos atingidos por uma determinada doença segmentando por regiões. Imagine agora cruzar essa informação com os registros de situação e evolução da qualidade de saneamento básico por regiões, é lógico traçar paralelos e se for possível estabelecer uma função de proporção direta (ou indireta, dependendo de pra qual metade da conclusão você está olhando) entre o nível de qualidade de saneamento e ocorrências dessa doença seria possível traçar um plano de contingência.

(…)lembre-se que tudo o que fazemos gera dados.(…)

Vamos usar como exemplo a esquistossomose, doença que tem como agente etiológico o schistosoma mansoni um platelminto que em seu ciclo de vida, comumente, tem como hospedeiro caramujos de água doce. Para efeito de estudo do impacto do Big Data imagine que não sabemos disso, mas uma equipe de biólogos estudou a fauna de caramujos de água doce em diversas regiões do país, uma equipe de médicos estudou a ocorrência de casos de pessoas acometidas pela esquistossomose, uma equipe de geógrafos estudou a qualidade de saneamento básico dada à população em diversas regiões, e todos esses estudos isolados não serviriam pra identificar as causas da esquistossomose, mas juntos esses estudos nos permitiriam fazer inferências, experimentos e observações que poderiam nos levar a conclusão que temos hoje do ciclo da doença, formas de combate e prevenção dela.
No passado essa constatação precisava ser feita de forma manual, mas e se houvesse um supercomputador recebendo toda essa infinidade de dados, e alguém levantasse os pontos em que esses estudos diversos convergiam.

(…) juntos esses estudos nos permitiriam fazer inferências,
experimentos e observações(…)

E se depois de descobrir as causas uma empresa de inseticidas decida criar uma inseticida específico para matar os caramujos de água doce (claro que isso requereria estudo de impacto ambiental) a relação de saneamento, populações de caramujos e ocorrências de doenças indicariam os melhores lugares para estabelecimento do mercado desse tipo de inseticida, se cruzarmos essas informações com os dados de desenvolvimento do PIB regional, e os dados de ações políticas adotadas pelos governantes dessas regiões seria possível extrapolar com um grande índice de probabilidade de acerto as regiões em que esse mercado seria vantajoso no futuro.

As diversas aplicações

Bom, se você teve paciência para chegar até aqui, e tiver uma mente de negócios, empreendedora, ou científica já calculou possíveis aplicações para um processamento de um volume gigantesco de dados e o cruzamento de dados distintos para ter uma visão mais precisa de um mercado para uma determinada linha de produtos, da expansão de filosofias e tendências políticas, de futuras necessidades governamentais e oportunidades para licitantes, de possíveis novas tendências de design de carros, de necessidades de tipos de motores, opções mais buscadas de combustíveis, com base em histórico de valores de ações e tipos de companhias e crescimento ou diminuição de demandas poderia-se inferir prováveis melhores investimentos no futuro, e concluiu que as aplicações são infinitas e contínuas.

Recentemente o governo brasileiro que disponibiliza diversos dados no endereço http://dados.gov.br tem estimulado a exploração desses dados dados abertos e dessa cultura de data mining com ações como o concurso do ministério da justiça para dados abertos e a 1ª Hackathon da câmara municipal de São Paulo.

Chegamos ao ponto em que poderemos usar um catalisador na reação das mais diversas áreas para produzir um quadro sobre o panorama da realidade em que vivemos, ou que estamos construindo.

Poderemos analisar os erros do passado com novas óticas, de fato a maior parte disso se baseia no passado, precisamos de um grande volume de dados em áreas distintas para produzir tantas inferências, a análise pelo agrupamento desses dados em conjuntos, o estudo de como esses conjuntos de dados podem interagir e sobretudo o estudo de um algoritmo cada vez mais aprimorado para a mineração desses dados. E por ser uma tecnologia que se utiliza muito do conhecimento sobre o que acontece em comparação ao que já aconteceu, essa análise com a tecnologia do Big Data é uma forma de expressão de como o futuro volta aos dias atuais para nos alcançar. Independentemente de qual seja a sua área de estudo ou atuação preste atenção nesta evolução tecnológica, estamos diante do surgimento de estudos e projetos de grandes implicações!

 

FONTES: SITES DE NOTÍCIAS, EMPRESAS E CONSULTORIA GARTNER. CRÉDITOS: EDITORIA DE ARTE, oglobo.globo.com/infograficos/bigdata/bigdata.jpg

 

Written by David Ohio

Tem 10 anos de experiência no mercado de tecnologia da informação, prestando serviços para empresas nacionais e multinacionais.
Atualmente é CIO na Ohiotech, empresa especializada em desenvolvimento de soluções em tecnologia da informação.