4 curiosidades sobre o Museu do Louvre que você não imaginava

Museu do Louvre

Turismo em Paris é o sonho da maioria das pessoas mundo afora. Além de visitar a Torre Eiffel e admirar o Rio Sena, conhecer o Museu do Louvre é programa obrigatório para quem deseja vivenciar experiências incríveis na capital francesa.


Atenção : Aprenda um novo idioma rápido e fácil (Veja aqui)

Além da arquitetura, que já é uma obra de arte em si, no local você ainda conhece mais sobre história mundial por meio das artes.

Isso porque no Museu do Louvre você encontra a maior coleção de artefatos egípcios do mundo. Sem contar com as peças vindas da Índia, Grécia, Roma, etc.. Já a Mona Lisa é um capítulo à parte.

4 fatos curiosos sobre o maior museu do mundo

O Museu do Louvre serviu como plano de fundo para o livro ‘O Código da Vinci’ de Dan Brown. E durante as gravações do filme homônimo, algumas cenas foram rodadas dentro dele.

Confira um pouco da história do Museu do Louvre e outros fatos curiosos sobre o ponto turístico, que é um dos mais famosos do mundo.

Proteção contra vikings

Pouca gente sabe, mas o Museu do Louvre nem sempre foi sinônimo de arte e cultura. O imóvel histórico foi erguido originalmente para proteger a França de ataques vikings. Em 1190, o Rei Filipe II ordenou a construção de uma fortaleza para reforçar a muralha de Paris.

Esse forte, que séculos mais tarde se transformou no museu mais famoso do mundo, inicialmente era constituído de masmorra, fossos e um recinto quadrado.

Galeria do Carrossel do Louvre era uma masmorra

Lugar imperdível para quem está a turismo em Paris, a galeria do Carrossel do Louvre hoje reúne grifes de luxo e bons restaurantes. Lá você encontra de Apple Store a Swarovski, além de outras marcas mundialmente famosas.

Nessa área do ponto turístico está localizada a Escola do Louvre. Diversas estátuas fazem parte da decoração da galeria (já que se trata de uma área arqueológica). Outro destaque é a Pirâmide Invertida.

Embora atualmente o local seja sinônimo de sofisticação e requinte, em um passado distante, a galeria do Carrossel do Louvre era um lugar de morte e castigo. Como está situada na parte subterrânea da antiga fortaleza, a área costumava ser uma masmorra na Idade Média.

h3>Castelo de Carlos V

Muito antes de ser o lar de Mona Lisa, o Museu do Louvre havia sido a residência oficial do Rei Carlos V, mais conhecido como Carlos, o Sábio. Ele mandou reformar a antiga fortaleza e transformou o imóvel em um local luxuoso.

Na época em que era castelo, o Louvre abrigava uma vasta biblioteca que pertencia ao monarca, além de oferecer diversas áreas de lazer para a realeza e quartos confortáveis.

Revolução Francesa que democratizou o Museu do Louvre

Durante o reinado de Luís XIV, o Rei Sol, o Castelo do Louvre passou a ser o lar de nobres e principalmente de artistas da época. Eles tiveram a ideia de transformar o local em um museu, o que teve a aprovação do monarca.

Mas, foi Napoleão Bonaparte que acabou criando um museu no antigo palácio. Até então apenas a realeza e os nobres tinham acesso à cultura. Somente com a Revolução Francesa é que a população teve acesso liberado ao Louvre.

Vale lembrar que naquela época o local era muito diferente. O Museu do Louvre, que é considerado o maior e mais famoso do planeta, tomou a forma que tem atualmente só em 1981 após uma grande reforma.

Inscreva-se em nosso canal e acompanhe nosso conteúdo também pelo YouTube