Internet das coisas: otimização do cotidiano

Das palavras de Albert Einstein, “A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original”, traduz o que a tecnologia pode proporcionar ao mundo.

Imaginar a evolução de objetos e de que o ser humano não teria mais o trabalho de preocupar-se com a casa, se está em ordem, se a geladeira está completa ou a hora em que o jardim precisaria ser regado, isso que era apenas sonho, hoje é realidade e em breve, em um futuro próximo, será algo muito comum.

Diversas tecnologias de modo a conectar e comunicar diferentes objetos através da internet por meio de tecnologias como os identificadores RFID, redes de sensores, atuadores, sendo estes motores e protocolos, TCP/IP, que estabelecem as normas de comunicação entre os itens citados, este conjunto pode denominar-se a internet das coisas.

No cotidiano e em meio a tarefas simples, mas de difícil execução por conta da escassez de tempo, a internet das coisas ajuda e permite a otimização desse tempo, para as atividades que devem ser realizadas, facilitando às pessoas permanecerem conectadas e beneficiando-se das tecnologias. Bons exemplos como a geladeira avisando quando tal produto está acabando, a validade de outros, ligar a irrigação do jardim num tempo determinado, não estando em casa para esta ação, porém em outro ponto do mundo. A criação de coisas e ambientes inteligentes para proveito e satisfação no dia-a-dia das pessoas.

Não que as máquinas adquiram vida, mas a ação entre elas devido a conectividade entre redes sem fio, a qual é ideal, sendo esta interação sem intervenção humana diz que as casas do futuro entre outros objetos que inovarão a visão de bem-estar da sociedade aumentará o conforto e a qualidade de vida.

A Internet Digital DIOS Refrigerator, da LG, transforma a cozinha. A geladeira possui uma tela LCD de 15 polegadas sensível ao toque, com acesso à web. Ela pode ser usada para verificar e-mail, buscar uma receita de sobremesa e faz encomendas ao supermercado. A conexão é feita pela rede local da casa.

Tudo possui inteligência e toma atitudes, a geladeira inteligente, o horário de irrigação do jardim, a temperatura e a hora correta do banho, os avisos pelo celular dizendo se as luzes das casas ficaram ligadas quando todos saíram, se algo que pode causar danos ficou ligado a tomada, viver e conviver com essas tecnologias que transformam tarefas básicas em atividades mais simples ainda é algo almejado por todos, sem exceções.

Mas nem tudo se resume a casas com QI. A aplicação da internet das coisas no transporte público. O horário em que o ônibus passará no ponto avisando os passageiros e futuros passageiros que embarcarão, se haverá atrasos, como o trânsito está fluindo. As máquinas conectadas agindo entre si.

A Apple, já se utiliza de conceitos da “internet das coisas”. A empresa firmou uma parceria com a Nike para instalar chips em tênis de corridas, que passam a ser capazes de monitorar os exercícios físicos.

A internet conectada a tudo, trata-se da comunicação entre os objetos, da metamorfose do mundo físico para o mundo digitalizado.
A invasão das tecnologias não significa que o ser humano será dispensável, ao menos na atualidade, mas que promete ocupar papéis que hoje são muito bem-vindos se realizar deveres que no cotidiano parecem impossíveis para as pessoas.
Produtos conectados são maiores e serão mais ainda que o número de pessoas que vivem nesse planeta. O reflexo da evolução tecnológica se dá quando o futuro se torna presente e onde amanhã será passado. As máquinas dominarão, mas sempre terá um dedo humano para dar o início.